Notícias da Diocese

4 de agosto de 2017

Dia do Padre – Memória de São João Maria Vianney

Neste dia 4 de agosto, quando celebramos a memória de São João Maria Vianeey, o Cura D’Ars, fazemos especial oração aos nossos padres. Pedimos que Deus os abençoe, os recompense e fortaleça no ministério junto ao povo de Deus. 

São João Maria Vianney, padroeiro dos sacerdotes, foi exemplo de santidade e perseverança na construção do caminho da salvação.

Reze pelos sacerdotes, de maneira especial pelo seu pároco e vigário paroquial. 

 

Leia o trecho da Carta Encíclica Sacerdotii Nostri Primordia, sobre o centenário da morte do Santo Cura d’Ars, de São João XXIII, publicada em 1º de agosto de 1959.

Falar de São João Maria Vianney‚ evocar a figura de um padre excepcionalmente mortificado que, por amor de Deus e pela conversão dos pecadores, se privava de alimento e sono, se impunha rudes penitências e, sobretudo, levava a renúncia de si mesmo a um grau heroico. Se é certo que comumente não é pedido a todos os féis que sigam este caminho, a divina Providência dispôs que nunca faltem no mundo pastores de almas que, levados pelo Espírito Santo, não hesitem em encaminhar-se por estas vias, porque tais homens operam com este exemplo o regresso de muitos, que se convertem da sedução dos erros e dos vícios para o bom caminho e a prática da vida cristã!

A todos, o exemplo admirável de renúncia do cura de Ars, ‘severo para consigo e bondoso para com os outros’, lembra de forma eloquente e urgente o lugar primordial da ascese na vida sacerdotal.

O nosso predecessor Pio XII, de saudosa memória, no desejo de evitar certos equívocos, não hesitou em precisar que é falso afirmar ‘que o estado clerical – justamente enquanto tal e por proceder do direito divino – por sua natureza, ou pelo menos em virtude de um postulado da mesma, exige que os seus membros professem os conselhos evangélicos’. E o Papa conclui justamente: ‘O clérigo, portanto, não está ligado, por direito divino, aos conselhos evangélicos de pobreza, castidade e obediência’.

Mas seria deformar o genuíno pensamento deste Pontífice, tão cioso da santidade dos padres, e o ensino constante da Igreja, acreditar que o padre secular é menos chamado à perfeição do que o religioso. A realidade é totalmente diversa, porque o exercício das funções sacerdotais ‘requer uma maior santidade interior, do que aquela exigida pelo estado religioso’. E se, para atingir esta santidade de vida, a prática dos conselhos evangélicos não é imposta ao padre em virtude do seu estado clerical, não obstante ela apresenta-se a ele e a todos os discípulos do Senhor, como o caminho mais seguro para alcançar a desejada meta da perfeição cristã. Aliás, para nossa grande consolação, quantos padres generosos o compreenderam no presente, não deixando por isso de continuar nas fileiras do clero secular e pedindo a pias associações aprovadas pela Igreja que os guiem e sustentem nos caminhos da perfeição! Convencidos de que ‘a grandeza do sacerdócio está na imitação de Jesus Cristo’, os padres estarão, pois, mais do que nunca, atentos aos apelos do divino Mestre: ‘Se alguém quiser vir após mim, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me…’ (Mt 16, 24).

O santo cura d’Ars, segundo se afirma, ‘tinha meditado muitas vezes estas palavras de nosso Senhor e esforçava-se por pô-las em prática’. Deus concedeu-lhe a graça de se conservar heroicamente fiel a elas; e o seu exemplo guia-nos ainda no caminho da ascese onde ele, resplandeceu brilhantemente pela pobreza, castidade e obediência.

Primeiramente tendes o exemplo de pobreza, virtude pela qual o humilde cura d’Ars, se tornou digno êmulo do patriarca de Assis, de quem foi, na Ordem Terceira, discípulo fiel. Rico para dar aos outros, mas pobre para si mesmo, viveu num total desprendimento dos bens deste mundo, e o seu coração verdadeiramente livre abria-se com generosidade a todos os que, afligidos por misérias materiais ou espirituais vinham até ele de toda a parte em busca de remédio. ‘O meu segredo é bem simples, dizia ele, é dar tudo e nada guardar’.

O seu desinteresse fazia-o atender a todos os pobres, sobretudo os da sua paróquia, aos quais testemunhava extrema delicadeza, tratando-os ‘com verdadeira ternura, com os maiores cuidados e até com respeito’. Recomendava que nunca deixassem de ter atenções para com os pobres, porque tal falta recai sobre Deus; e, quando um miserável batia à sua porta, sentia-se feliz, ao recebê-lo, com bondade, por lhe poder dizer: ‘Sou pobre como vós; hoje sou um dos vossos!’.

No fim da sua vida, comprazia-se em repetir: ‘Estou muito satisfeito; já não tenho nada de meu; Deus pode chamar-me quando quiser’.

Por isso, veneráveis irmãos, podereis compreender como, de todo o coração, exortamos nossos queridos filhos do sacerdócio católico, a meditar num tal exemplo de pobreza e caridade”.






CatolicaSJC Mês Missionário

  1. Noemia Carvalho

    Parabéns a todos os Padres! E que a luz divina os guie na missão de Pastor do Povo de Deus..



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *