Artigos

2 de setembro de 2017

O medo e a fé!

Dias atrás, refletia sobre nossos medos. Vivemos um tempo em que facilmente nos encontramos amedrontados, ou convivemos com pessoas que manifestam seus medos. Medos com alicerces na insegurança do momento, medos arraigados na própria história, medo de viver, medo de dar passos na estrada da vida. Como dizia alguém, para quem tem medo, até mesmo uma porta aberta vira muro, vira obstáculo.

Refletindo sobre a experiência de Pedro, nos Evangelhos, lembrei-me da passagem em que ele, vendo Jesus andando sobre o mar, pede a graça de ir até Ele… “Manda-me ir ao Teu encontro” (cf. Mateus 14, 28-29). Jesus o chama. Ele vai… No entanto, já o havia chamado. Na vida, ele já seguia o Mestre. Aquele momento foi como que uma síntese da própria história de Pedro.

Pedro agia no impulso, sempre ativo e sempre pronto. Já havia dito sim a Jesus, já dava seus passos na fé…  Esbarrava-se, porém, com seus medos, com suas fraquezas, com suas dúvidas. Como nós, com nossos temores e inseguranças.

Voltando à história do caminhar sobre as águas, Pedro dá os primeiros passos. Mas bastou um ventinho no rosto para começar a afundar. E vem o grito de socorro.

Não foi assim na vida dele? Ora dava passos firmes, ora sua humanidade falava mais alto. Ora acertos, ora erros no primeiro sopro de vento contrário. Não foi ele quem negou conhecer Jesus? Depois de toda uma história de seguimento, voltou atrás.

Muitas vezes, exatamente como acontece conosco, Pedro foi no fundo, no mais profundo de si, e justamente lá experimentou a mão de Deus.

Jesus estendeu a Sua mão e o resgatou (cf. Mateus 14, 31). Foi assim, também, depois das negações de Pedro. O olhar de Jesus, Suas mãos e Seu ser inteiro o alcançaram. O evangelista diz que “Pedro chorou amargamente”, ou seja, foi mesmo no fundo de seu profundo (cf. Lucas 22, 62).

Você acredita que, em meio aos seus temores, a mão de Deus o alcança? Onde quer que você tenha ido parar, no mais profundo abismo, ou na mais alta montanha, esse amor o encontra (Salmo 138) e rompe todas as correntes de medo, faz vencer todos os ventos contrários e as ondas tempestuosas que, por vezes, se dão em nossa vida.

Convido você e sua família a fazerem uma experiência assim. Primeiro, na fé; em meio às crises, tenha a certeza de que Deus é por você.  Ele caminhou por primeiro sobre o caos que se dava no mar, sobre a tormenta que o assusta. Jamais você esteve ou estará só. Sua fé é capaz de vencer todas as tormentas e se deixar alcançar pelas mãos que foram feridas na Cruz para, justamente, poderem alcançar os abismos de sua história.

Como é bom crer, como é bom dar passos firmes sobre ondas de tormentas, como é bom acreditar na aurora de um novo dia, de novos tempos!

Para chegar a essa fé, para dar esse passo é preciso ir no mais fundo do seu profundo, de sua pequenez, de suas fraquezas e lá se deixar alcançar. O melhor em tudo isso é que Deus não desiste de você. Quando você pensa que está tudo perdido, Ele chega, é nessa brecha que Ele entra, e nessa hora Ele faz!

Vença seus medos! Dê passos na fé! Deixe-se tomar por uma confiança inabalável de que para tudo tem jeito, até para a morte, diferente do que muitos dizem e pensam. Alguém já venceu as ondas do mar bravio por todos nós! Pense nisso, reflita e jogue fora os seus medos!

Pe. Rinaldo Roberto de Rezende
Cura da Catedral de São Dimas






CatolicaSJC Web Rádios


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *